Metodologia

  • Pesquisa com questionário estruturado e perguntas semi-abertas, visando o equilíbrio entre os resultados qualitativos e quantitativos;

  • Convite para o preenchimento da pesquisa realizado por redes sociais;

Público-Alvo:

 

  • Cidadãos brasileiros e estrangeiros residentes em todos os Estados brasileiros. A pesquisa não se fixou em faixa etária, pois não há o propósito de julgamento das diferentes respostas conforme uma segmentação etária. Por outro lado, uma das perguntas destinou-se a conhecer as profissões dos participantes com o objetivo de ampliar a gama de ações de Cultura de Paz tanto nos grandes centros urbanos quanto em cidades do interior das regiões sul, sudeste, centro-oeste, norte e nordeste do país.

Objetivos: 

  •  Medir o grau de violência nos cotidianos virtuais e presenciais no Brasil;

  •  Avaliar a visão que a população tem em relação à qualidade do sistema de Educação no Brasil;

  •  Perceber o grau de importância de investimentos na área de Educação segundo a visão de cidadãos residentes em diferentes partes do Brasil;

  • Compreender a paridade (ou não) da importância da Educação e da Educação para a Paz, segundo a visão dos entrevistados;

  • Obter ideias para o desenvolvimento de ações efetivas de Comunicação e Educação para a Paz;

  • Verificar a disponibilidade (ou não) da participação dos entrevistados em futuras ações do Movimento Com Vida e em Paz;

  • Organizar um primeiro grupo de Mensageiros da Paz para futuras reuniões virtuais e formação de Comitês Regionais

  • Questionário: disponibilidade para preenchimento entre 02/06/2020 e 28/06/2020.

Essência da execução da presente pesquisa e da leitura dos seus resultados: 

  • Escutar/ler atentamente o que diferentes atores sociais têm a dizer, sem julgamentos segundo padrões pré-estabelecidos. 

  • Aprender com os participantes da pequisa, tendo como premissa básica: não pensar nos resultados a partir do que os teóricos do campo dos Estudos de Paz disseram.  Os detentores do conhecimento, aqui e agora, são os entrevistados de diferentes perfis identitários.

  • A humildade é o grande balizador para a execução da pesquisa, para a análise do conjunto de respostas e o desenvolvimento de futuras ações com base na mesma. 

  • Valorizar as diferentes ideias para a construção de um projeto comunitário em prol da transformação da sociedade por meio de atitudes de Não-Violência Ativa e da disposição para praticar a Paz em suas diferentes dimensões. 

  • Fortalecer o campo prático da Cultura de Paz, segundo as especificidades encontradas em todo o território brasileiro. 

  • Respeitar as falas dos que se dedicaram, com carinho, a responder a pesquisa, destacando-as na divulgação dos resultados (por tal razão, utilizamos o recurso de "colar" partes das escritas dos participantes, mantendo suas identidades em sigilo)

Será apresentado, a seguir, o Caleidoscópio de Gente, Pensamentos e Imagens

que reflete o Estado de Espírito do Movimento: 

Comunicar e Educar Para e Com Paz, de Forma Colaborativa! 

 

Estados Participantes

75 participações

de cidadãos/cidadãs das seguintes regiões brasileiras:

  • 12 Estados nomeados e 1 não nomeado, conforme gráfico de barras e sinalização no mapa (com quantidade de respostas)

45

40

35

30

25

20

15

10

5

0

São Paulo

Santa Catarina

Rio de Janeiro

Rio Grande do Sul

Minas Gerais

Paraíba

Goiás

Mato Grosso

Rio Grande do Norte

Ceará

Espírito Santo

Rondônia

Não Mencionou

Observação:  os Estados de São Paulo e Santa Catarina tiveram uma maior incidência de respostas em função de um impacto maior da comunicação do lançamento do Movimento Com Vida e Em Paz junto a grupos destas duas regiões, já que a sua fundadora estudou e trabalhou em São Paulo (Capital e interior) e em Florianópolis. 

42

08

06

07

03

01

01

02

01

01

01

01

Sudeste

Sul

Centro-Oeste

Nordeste

Norte

Não Identificado

Indicação:

 

  • As regiões Sul e Sudeste somaram 90% das respostas; 

  • Sugerimos a realização de nova pesquisa após a formação dos Comitês Regionais, empenhando-nos para angariar a participação de cidadãos de todas as regiões do país. 

Perfil dos Participantes

Feminino

Masculino

75 participações

Profissões

Professores/Professoras
Vendedoras
Estudantes
Relações Públicas
Contadores
Advogado
Agricultores
Engenheiro/
Engenheiras
Engenheiro Agrônomo
 Agrônomo
Publicitários/
Publicitárias
Enfermeiras
Jornalistas
Pedagoga
Consultor/
Consultora
Bancário/ Bancária
Fotógrafo
Empresário/Empresária
Tradutora
Assistente de
 Eventos
Funcionário/
Funcionária Público
Médicas
Veterinárias
Diarista
Aposentado/
Aposentada
Comerciante
Bioquímica
de Alimentos
Terapeuta
Analista de Sistemas
Massoterapeuta
Chefe de Cozinha
Administradores/
Administradoras
de Empresa
Revisora de Texto
Coordenadora
de Serviços
Politóloga
Analista Financeiro
Assistente
Social
Educadores Sociais
Pesquisadora
Fonoaudióloga
Podologista
Escritora
 

VIOLÊNCIA

Nível de violência no Brasil  -  0 equivalendo a inexistente, 1 a baixa, 2 a média e 3 a alta. 
Vida cotidiana, nas cidades, comunidades, bairros, ruas e lares 
Relações virtuais (internet)

Há a forte percepção de que a violência é muito alta tanto para o caso do ambiente virtual quanto para a realidade cotidiana presencial. Somando as pontuações "média" e "alta", temos um resultado equivalente a: 

Violências nas relações cotidianas: 96%

Violência nas relações virtuais: 94,6%

3 pessoas opinaram que é baixa para o caso da violência cotidiana e 4 o fizeram para o caso da violência via internet. 

"Vivemos tempos difíceis."

"Não quero ver meus filhos morrer por causa do crime e

de tanto ato violento que tem no nosso país"

"O Brasil atinge recordes de violência todos os anos e tanto estamos habituados que já normalizamos e nos tornarmos cúmplices de algumas formas extremamente brutais de violência, como o feminicídio, a violência baseada em gênero, o racismo (sobretudo o institucional) e a violência nas ruas."

"A violência causada pelas desigualdades sociais. "

"A violência nasce da ignorância, da pobreza de argumento, da falta de compreensão e acima de tudo da falta de cultura, ou seja a cultura de que povo educado é povo consciente de seu atos."

"O brasileiro vive a cultura do colonialismo com uma forte influência da violência como forma de manutenção dos privilégios de classes, desde a escravatura."

"Educação diminui a violência."

 

pAZ e EDUCAÇÃO

1*

O que é Paz para você? 

  • "Tranquilidade."

  • "Tranquilidade e harmonia entre corpo, mente e alma."

  • "É harmonia."

  • "Harmonia e convivência."

  • "Harmonia com tudo."

  • "Paz é conseguir viver em sociedade com harmonia e sensibilidade."

  • "Serenidade."

  • "Equilíbrio."

  • "Equilíbrio, segurança, união, respeito."

  • "Equilíbrio, calma, luz."

  • "Estar em equilíbrio emocional, físico, espiritual."

  •  É a sensação de equilíbrio e plenitude."

  • "Sensação de equilíbrio e harmonia."

  • "Sensação de leveza de espirito."

  • "Estado de espírito."

  • "Um estado de espírito e um bem a ser conquistado!"

  • "Conseguir sentir a esperança. No caso em particular, sentir a paz que Deus nos dá."

  • "Paz quer dizer amor entre as pessoas incluindo aí até os animais."

  • "É ter minha liberdade de opinião e ação sem que isso interfira na liberdade do outro e também não ser afetada ou ter minha liberdade restringida pela escolha do outro. É viver com as diferenças aceitando-as e sem conflitos. É ter as mesmas condições que todos para ter uma vida digna e plena para mim e para minha família."

  • "A ausência de qualquer forma de violência (física ou psicológica, estrutural, cultural etc.). Sua manifestação ocorre de dentro para fora, emerge de seu reconhecimento como paz e jamais de sua imposição ( de fora para dentro)."

  • "Estar em paz significa ser capaz de ler a realidade onde se vive com a visão amorosa e tolerante, fato que pressupõe auto-conhecimento, respeito pelo outro e coragem para realizar as mudanças necessárias na sociedade."

  • "Falando no sentido estrutural de uma nação, a paz se concretiza quando existe a harmonia sólida dos três poderes. Em paralelo a isso, quando o estado Possibilita a vida da sociedade com dignidade e harmonia."

  • Um cenário no qual os conflitos são resolvidos com debate, diálogo, negociação e mediação pacíficas, sem fundamentalismos e "apriorismos". Só uma mente aberta consegue pensar em Paz.

  • "Paz é poder conviver em um mundo onde não haja tanta desigualdade social, onde não haja preconceitos, onde eu possa ir e vir sem medo de que algo negativo aconteça."

  • "Ausência do medo."

  • "É um sentimento, uma sensação de plenitude, de aceitação, de liberdade, de respeito, de suavidade, de manifestação do Espírito! Um lugar onde a alma quer habitar."

  • "Paz interior é um sentimento de tranquilidade e serenidade. Paz nas relações significa respeito e acolhimento. Paz entre os povos é ausência de guerra e mortes."

  • "Paz é quando vivemos sem nenhum tipo de problema ou que estes problemas que venhamos a ter tenham soluções. Paz mundial é utópico."

  • "Paz é um sentimento gerado por situações da vida ao praticarmos ações de bem ao próximo ou sermos respeitados em nossa dignidade."

  • "É tudo tranquilo, com bons relacionamentos com todos, com todas as necessidades bem atendidas, cada um respeitando a todos."

  • "É poder estar com a consciência tranquila , poder dormir a noite, é me sentir cumpridor da minha missão."

  • "Tudo que nosso planeta precisa para os povos que nele habitam , viverem com saúde e tranquilidade."

  • "Respeito às diferenças de gênero, raça, crença...respeito à vida, aos animais, ao meio ambiente."

  • "Paz é como o grão de mostarda! Uma pequena semente que resulta numa grandiosa colheita!"

  • "É Plenitude, é estar em equilíbrio, não deixar que nada externo afete a mansidão."

  • "Segurança, liberdade de ir e vir, liberdade de opinião, tranquilidade financeira."

  • "Paz é ter o suficiente para respirar tranquilo e celebrar a vida com quem se ama."

  • "Conseguir dar conta da realidade, alimentar todos os dias o desejo de fazer o bem."

  • "Quando as pessoas podem ser elas mesmas sem violação da sua identidade."

  • "A liberdade de escolhas, que não interfiram no bem estar de terceiros."

  • "Paz é construção social de justiça, igualdade, harmonia e liberdade."

  • "Um estado de consonância de ideias, sem julgamentos e de bem-estar."

  • "Paz é a transcendência do corriqueiro. É o sentido maior da Alma!"

  • "Paz é conseguir viver em sociedade com harmonia e sensibilidade."

  • "Respeitar e ser respeitado...garantindo liberdade e oportunidade."

  • "É estar tranquila comigo mesmo, com o momento que estou vivendo."

  • "Viver em harmonia, sem guerras, desigualdade e preconceito."

  • "Estado de espírito quando amamos sem pedir nada em troca."

  • "É a completa sensação de bem-estar e conforto espiritual."

  • "É se sentir bem e feliz independente das circunstâncias."

  • "É viver em harmonia internamente e com o mundo exterior."

  • "Solidariedade, estar bem consigo mesma e com o outro."

  • "Liberdade de ir e vir, como também de pensar."

  • "Estar bem com as emoções minhas e dos outros."

  • "Viver e defender a vida em todas as formas."

  • "Alegria de ter a família e os que amo bem."

  • "É estar bem com minha família."

  • "Ausência de preocupação e amor profundo."

  • "Estar de bem com a vida e consigo mesmo."

  • "É estar em comunhão com Jesus Cristo."

  • "Liberdade para ser quem eu sou."

  • "Amor, respeito, solidariedade."

  • "Fazer o bem sem olhar a quem."

  • "É consciência tranquila."

  • "Clareza de consciência."

  • "Estar bem comigo mesmo."

  • "É respeitar o outro."

  • "Paz é justiça."

  • "Uma busca.." 

Tranquilidade

Equilíbrio

Estado de Espírito

Harmonia

Plenitude

Serenidade

Sensibilidade

Justiça

Igualdade

Liberdade

Amor

Bem

Solidariedade

Vida

Consciência

Respeito

2*

Por que investir na Educação? 

"Aprender a ser criativo, para ter e tomar as próprias decisões."

"Educação permite sermos críticos."

"Quem pode pagar um ensino privado tem maiores oportunidades de ter um ensino de qualidade, mas quando nos referimos a escola pública estamos falando de um nível de país de quarto mundo.

É nítido a falta de prioridade das autoridades do poder executivo e legislativo quanto ao investimento na educação, já que um povo ignorante é muito mais fácil de ser manobrado. Temos crianças e jovens desmotivados e que muitas vezes também tem que conviver com a violência dentro de suas casas devido a pais opressores, há o problema da desnutrição causada por uma má alimentação e um sistema de ensino falido não só financeiramente, mas também estruturalmente."

"A educação é peça fundamental para a estruturação da nação. É a partir da infância que começamos a moldar o sistema do homem.

Moldar no sentido completo, como por exemplo, caráter , limites, tolerância e etc... educando a população teríamos uma sociedade mais tolerante ao “diferente”, mais estruturada para lidar com o dinheiro(educação financeira), mais Unida e mais igual (igual no sentido de dar as mesmas oportunidades para todos)."

"Somente com educação as pessoas poderão entender o mundo de uma maneira mais ampla, a educação abre os horizontes."

"Com a educação as pessoas aprendem e entendem que têm direitos e deveres e que estes devem ser respeitados e cumpridos, respectivamente."

"A Educação é o esteio da cidadania e da formação social da pessoa, além de condição fundamental para o bom desenvolvimento da sociedade. Olhando para os países que mais investem em educação podemos constatar esse fato."

"A educação que nos leva a conhecer arte, cultura, socializar comunicar, interpretar, saber a hora de falar, conviver, respeitar, analisar. Sem ela vamos passar a vida enfrentando este caos no qual estamos embutidos."

"A educação, principalmente o ensino fundamental, é o principal meio para se engendrar mudanças sociais sustentáveis."

"A educação é o que forma o ser humano e incentiva sempre a questionar e refutar, que busca sempre a melhoria da qualidade de vida."

"Povo educado, país em desenvolvimento de uma igualdade social. Cidadãos educados, voto consciente, crescendo a estabilidade no sistema político."

"A Educação é o princípio de tudo. Sem educação não pode haver mais nada. A educação é a base da sociedade."

"A educação é fundamental, mas desde que seja para a liberdade; se não for, vai ser uma justificação da opressão."

"A educação é a base para a formação cultural de um povo."

"Sem educação e cultura não há evolução."

"Educação prepara, transforma."

"Sem educação não existe evolução nem transformação."

"A educação e o conhecimento transformam vidas, que transformam pessoas, que transformam o país."

"A educação é o único caminho para a inclusão social e profissional."

3*

Importância da Educação Quantificada

pAZ e EDUCAÇÃO

1*

O que é Paz para você? 

  • "Tranquilidade."

  • "Tranquilidade e harmonia entre corpo, mente e alma."

  • "É harmonia."

  • "Harmonia e convivência."

  • "Harmonia com tudo."

  • "Paz é conseguir viver em sociedade com harmonia e sensibilidade."

  • "Serenidade."

  • "Equilíbrio."

  • "Equilíbrio, segurança, união, respeito."

  • "Equilíbrio, calma, luz."

  • "Estar em equilíbrio emocional, físico, espiritual."

  • "É a sensação de equilíbrio e plenitude."

  • "Sensação de equilíbrio e harmonia."

  • "Sensação de leveza de espirito."

  • "Estado de espírito."

  • "Um estado de espírito e um bem a ser conquistado!"

  • "Conseguir sentir a esperança. No caso em particular, sentir a paz que Deus nos dá."

  • "Paz quer dizer amor entre as pessoas incluindo aí até os animais."

  • "É ter minha liberdade de opinião e ação sem que isso interfira na liberdade do outro e também não ser afetada ou ter minha liberdade restringida pela escolha do outro. É viver com as diferenças aceitando-as e sem conflitos. É ter as mesmas condições que todos para ter uma vida digna e plena para mim e para minha família."

  • "A ausência de qualquer forma de violência (física ou psicológica, estrutural, cultural, etc.). Sua manifestação ocorre de dentro para fora, emerge de seu reconhecimento como paz e jamais de sua imposição (de fora para dentro)."

  • "Estar em paz significa ser capaz de ler a realidade onde se vive com a visão amorosa e tolerante, fato que pressupõe auto-conhecimento, respeito pelo outro e coragem para realizar as mudanças necessárias na sociedade."

  • "Falando no sentido estrutural de uma nação, a paz se concretiza quando existe a harmonia sólida dos três poderes. Em paralelo a isso, quando o estado Possibilita a vida da sociedade com dignidade e harmonia."

  • "Um cenário no qual os conflitos são resolvidos com debate, diálogo, negociação e mediação pacíficas, sem fundamentalismos e "apriorismos". Só uma mente aberta consegue pensar em Paz."

  • "Paz é poder conviver em um mundo onde não haja tanta desigualdade social, onde não haja preconceitos, onde eu possa ir e vir sem medo de que algo negativo aconteça."

  • "Ausência do medo."

  • "É um sentimento, uma sensação de plenitude, de aceitação, de liberdade, de respeito, de suavidade, de manifestação do Espírito! Um lugar onde a alma quer habitar."

  • "Paz interior é um sentimento de tranquilidade e serenidade. Paz nas relações significa respeito e acolhimento. Paz entre os povos é ausência de guerra e mortes."

  • "Paz é quando vivemos sem nenhum tipo de problema ou que estes problemas que venhamos a ter tenham soluções. Paz mundial é utópico."

  • "Paz é um sentimento gerado por situações da vida ao praticarmos ações de bem ao próximo ou sermos respeitados em nossa dignidade."

  • "É tudo tranquilo, com bons relacionamentos com todos, com todas as necessidades bem atendidas, cada um respeitando a todos."

  • "É poder estar com a consciência tranquila , poder dormir à noite, é me sentir cumpridor da minha missão."

  • "Tudo que nosso planeta precisa para os povos que nele habitam , viverem com saúde e tranquilidade."

  • "Respeito às diferenças de gênero, raça, crença...respeito à vida, aos animais, ao meio ambiente."

  • "Paz é como o grão de mostarda! Uma pequena semente que resulta numa grandiosa colheita!"

  • "É Plenitude, é estar em equilíbrio, não deixar que nada externo afete a mansidão."

  • "Segurança, liberdade de ir e vir, liberdade de opinião, tranquilidade financeira."

  • "Paz é ter o suficiente para respirar tranquilo e celebrar a vida com quem se ama."

  • "Conseguir dar conta da realidade, alimentar todos os dias o desejo de fazer o bem."

  • "Quando as pessoas podem ser elas mesmas sem violação da sua identidade."

  • "A liberdade de escolhas, que não interfiram no bem estar de terceiros."

  • "Paz é construção social de justiça, igualdade, harmonia e liberdade."

  • "Um estado de consonância de ideias, sem julgamentos e de bem-estar."

  • "Paz é a transcendência do corriqueiro. É o sentido maior da Alma!"

  • "Paz é conseguir viver em sociedade com harmonia e sensibilidade."

  • "Respeitar e ser respeitado...garantindo liberdade e oportunidade."

  • "É estar tranquila comigo mesmo, com o momento que estou vivendo."

  • "Viver em harmonia, sem guerras, desigualdade e preconceito."

  • "Estado de espírito quando amamos sem pedir nada em troca."

  • "É a completa sensação de bem-estar e conforto espiritual."

  • "É se sentir bem e feliz independente das circunstâncias."

  • "É viver em harmonia internamente e com o mundo exterior."

  • "Solidariedade, estar bem consigo mesma e com o outro."

  • "Liberdade de ir e vir, como também de pensar."

  • "Estar bem com as emoções minhas e dos outros."

  • "Viver e defender a vida em todas as formas."

  • "Alegria de ter a família e os que amo bem."

  • "É estar bem com minha família."

  • "Ausência de preocupação e amor profundo."

  • "Estar de bem com a vida e consigo mesmo."

  • "É estar em comunhão com Jesus Cristo."

  • "Liberdade para ser quem eu sou."

  • "Amor, respeito, solidariedade."

  • "Fazer o bem sem olhar a quem."

  • "É consciência tranquila."

  • "Clareza de consciência."

  • "Estar bem comigo mesmo."

  • "É respeitar o outro."

  • "Paz é justiça."

  • "Uma busca.." 

Tranquilidade

Equilíbrio

Estado de Espírito

Harmonia

Plenitude

Serenidade

Sensibilidade

Justiça

Igualdade

Liberdade

Amor

Bem

Solidariedade

Vida

Consciência

Respeito

2*

Por que investir na Educação? 

"Aprender a ser criativo, para ter e tomar as próprias decisões."

"Educação permite sermos críticos."

"Educação no sentido de coletividade e desenvolvimento pessoal e não só essa condição de fazer dos alunos um banco de memória."

"Povo culto nunca será enganado pelos políticos incultos que não se interessam pelas necessidades em todos seus aspectos: saúde, educação, saneamento básico."

"O princípio básico da educação para todos é de dar conhecimento ao cidadão para que esse acesse diretamente fontes de conhecimentos sem distorção ou controle de outros, para que assim todos tenham a liberdade de pensar e ter suas conclusões e escolhas.

A Educação de qualidade para todos é a fonte para que todos tenham os mesmos estímulos mentais e capacidade para alçar voos mais altos como pessoa e profissional se tornando assim um cidadão livre para ser o que quiser, enriquecendo e melhorando a população brasileira futura de saber, de profissionais e de seres humanos mais conscientes e pensantes."

"A educação é peça fundamental para a estruturação da nação. É a partir da infância que começamos a moldar o sistema do homem.

Moldar no sentido completo, como por exemplo, caráter, limites, tolerância e etc... educando a população teríamos uma sociedade mais tolerante ao “diferente”, mais estruturada para lidar com o dinheiro (educação financeira), mais Unida e mais igual (igual no sentido de dar as mesmas oportunidades para todos)."

"Somente com educação as pessoas poderão entender o mundo de uma maneira mais ampla, a educação abre os horizontes."

"Com a educação as pessoas aprendem e entendem que têm direitos e deveres e que estes devem ser respeitados e cumpridos, respectivamente."

"A Educação é o esteio da cidadania e da formação social da pessoa, além de condição fundamental para o bom desenvolvimento da sociedade. Olhando para os países que mais investem em educação podemos constatar esse fato."

"A educação que nos leva a conhecer arte, cultura, socializar comunicar, interpretar, saber a hora de falar, conviver, respeitar, analisar. Sem ela vamos passar a vida enfrentando este caos no qual estamos embutidos."

"A educação, principalmente o ensino fundamental, é o principal meio para se engendrar mudanças sociais sustentáveis."

"A educação é o que forma o ser humano e incentiva sempre a questionar e refutar, que busca sempre a melhoria da qualidade de vida."

"Povo educado, país em desenvolvimento de uma igualdade social. Cidadãos educados, voto consciente, crescendo a estabilidade no sistema político."

"A Educação é o princípio de tudo. Sem educação não pode haver mais nada. A educação é a base da sociedade."

"A educação, no conceito amplo, inicia - se na família mas no ensino fundamental ela consolida."

"Investir em educação é investir em cidadania, qualidade de vida e pleno emprego."

"Educação é o maior investimento para o bem estar do povo."

"A educação e o conhecimento transformam vidas, que transformam pessoas, que transformam o país."

"A educação é a base para a formação cultural de um povo."

"Sem educação e cultura não há evolução."

"Educação prepara, transforma."

"Sem educação não existe evolução nem transformação."

"A educação é o único caminho para a inclusão social e profissional."

"Acredito que é através da educação que se constrói cidadãos conscientes, que farão uma sociedade mais igualitária."

"Povo educado não é oprimido."

3*

Importância do Investimento em Educação (Quantificada)

75 participantes

classificaram em uma escala de 0 (não prioritário) a 5 (prioridade máxima), sob seus pontos de vista, qual é a importância de investimento no setor de EDUCAÇÃO (ensino básico, fundamental, médio, universitário e técnico), se comparado a pautas sociais e políticas, para a transformação positiva do Brasil.

Importãncia de investimento em Educação

85,3%dos participantes pontuaram a importância de investimentos na educação com o valor máximo.

As justificativas são variadas e giram em torno de justiça, cidadania, qualidade de vida, igualdade de oportunidades e ampliação de possibilidades de inserção socioprofissional.

 

Não obstante, surgiram questionamentos sobre que tipo de educação, como por exemplo:

"A educação é fundamental, mas desde que seja para a liberdade; se não for, vai ser uma justificação da opressão."

Por tanto, não se trata apenas de investimentos financeiros, mas com critérios que levem à concepção de uma "base para uma sociedade mais igualitária, mais justa, menos violenta e mais cidadã."

As justificativas daqueles que pontuaram o investimento em educação com valor inferior a 5 foram as seguintes (considerando que: em 3 dos  casos, não foi escrita a justificativa para a pontuação):

 

Com 0 -

  • "Quem pode pagar um ensino privado tem maiores oportunidades de ter um ensino de qualidade, mas  quando nos referimos a escola pública estamos falando de um nível de país de quarto mundo. É nítido a falta de prioridade das autoridades do poder executivo e legislativo quanto ao investimento na educação, já que um povo ignorante é muito mais fácil de ser manobrado. Temos crianças e jovens desmotivados e que muitas vezes também tem que conviver com a violência dentro de suas casas devido a pais opressores, há o problema da desnutrição causada por uma má alimentação e um sistema de ensino falido não só financeiramente, mas também estruturalmente."

 

Com 1 e 2 - 

  • "Os que elaboram e definem os investimentos pouco ligam, pois os seus não estão na escola pública, e manter o voto de cabresto ainda é o ideal." 

  • "Faltam recursos humanos e financeiros. Pouca ou nenhuma valorização da carreira do professor, pouco incentivo para se alcançar o saber, sistema ultrapassado não só de ensino, mas também de avaliação."

  • "Os políticos não dão a prioridade devida."

Confrontando estas colocações com as respostas sobre a urgência em investimentos em Educação para a Paz, verificamos que das 7 pessoas (que assinalaram 0, 1 ou 2 nesta questão), 5 pontuaram a urgência  de  Cultura de Paz  com o valor máximo (5), 1 com 4 e 1 com 0. (vide o gráfico completo abaixo). 

Seguem outras explicações que servirão para reflexões posteriores (no caso foram pessoas que pontuaram a importância de investimento na Educação com  3 e 4, respectivamente):

 

  • "Sem o "se comparado a pautas sociais e políticas" eu teria dado a nota máxima. Com essa variável, desse modo vago, fico preocupado em colocar a educação em primeiro lugar. Há necessidade de reconhecermos a realidade de que muitas pessoas não irão e nem podem e nem querem receber educação. Querem apenas comer amanhã."

  • "Depois de saneamento básico e estrutura mínima de sobrevivência, a educação é assunto de maior importância porque a partir dela que podemos conduzir o país da melhor maneira."

  • "É extremamente importante, mas há problemas mais urgentes, como a fome por exemplo."

Obs. Vemos aqui que a interpretação do enunciado da pergunta foi diferente do que esperávamos. 

Estes pesquisados não classificaram a importância segundo sua visão, mas sim avaliaram os problemas existentes em relação à educação de qualidade para todos no Brasil. Eles classificaram a não importância dada pelos tomadores de decisão nos âmbitos governamentais e institucionais, bem como a falta de investimento em Educação no nosso país. As colocações foram muito boas. Revendo o texto da pergunta, avaliamos que falhamos na sua formulação. Contudo, da imperfeição da nossa formulação, surgiu a possibilidade de respostas diferenciadas. 

É importante salientar que neste momento não nos aprofundaremos quanto ao entendimento  dos dados apresentados. 

 

Na seção Conclusões, realizaremos considerações que julgamos pertinentes. 

75 participantes também pontuaram em uma escala de 0 a 5 (sendo zero equivalente a nenhuma e 5 a alta), sob seus pontos de vista, qual é a urgência de investimentos em EDUCAÇÃO PARA A PAZ.

Urgência de investimento em Educação para a Paz

90,6%(considerando a somatória das pontuações 4 e 5) dos participantes acreditam que é de grande relevância o Investimento em Educação para a Paz. Seguem algumas das justificativas dadas:

"Vivemos em um sistema econômico injusto e altamente competitivo que tem gerado diferentes tipos de violência. Por esse motivo e por tantos outros que a educação para a paz deveria ser um conteúdo curricular nas escolas e nas demais formas de educação."

"Para haver paz é necessário diálogo."

"Os dias que estamos vivendo falam por si."

"Assim como precisamos do ar para viver, o mesmo se aplica a paz, que é um bem construído no dia-a-dia, focada em valores morais não apenas dentro das escolas, mas também no ambiente social em que vive, sendo os professores, pais e familiares os modelos a serem seguidos pelas crianças e adolescentes, em busca não só da educação, mas também da tão sonhada paz. A construção desses pilares, focados em valores morais deve ser um processo contínuo para que cada geração possa evoluir com cidadãos mais éticos e moralmente evoluídos, assim como, menos egoístas e mais sociáveis."

"Precisamos de paz nas vidas domésticas, nos ambientes de trabalho, no dia a dia de todo mundo. Está tudo muito violento! Estamos perdendo o controle. Esse governo atual está incentivando mais ódio e mais violência. É um barco desgovernado. Temos que caminhar juntos, pela força do amor e não do quebra quebra."

"É primordial que tenhamos ações de educação para a Paz porque estamos perdendo o controle da violência, seja pela internet, seja entre vizinhos ou dentro dos próprios lares. Ninguém tem mais paciência com ninguém.

O caos está vencendo e gerando conflitos terrivelmente devastadores."

"Só pela educação formal e informal será possível transpor essa cultura da violência, do não-olhar para o outro."

"Sem paz não podemos nem começar a conversar uns com os outros. Não adianta falar de educação sem paz. Olha a violência doméstica! O que adianta pagar um bom colégio para os filhos se dentro da própria casa a criança só vê cenas de ira e violência?"

"Com educação para a paz, as pessoas poderão aprender a ouvir o outro, praticar a empatia e respeitar a opinião do outro sem agressividade, sem ter que cortar relações (virtuais ou não) porque suas ideias divergem."

"Educação para paz sugere uma conscientização de cidadania, visão de igualdade, libertando o povo de racismo e atos de preconceito em detrimento do estabelecimentos de ideologias fascistas e antidemocráticas."

"A educação que promove o Bem é sempre fundamental porque se promove valores e portanto o conteúdo caminha ao lado da formação pessoal."

"Educar para a paz é educar para ser melhor pessoa, mais amorosa e, assim, mais aberta para entender a todos em qualquer circunstância!"

"Os valores familiares também fazem parte da educação, uma parte da situação atual do país é consequência da família desestruturada."

"O mundo está mergulhado no caos. Educar para a paz significa trazer ordem e significado para o mundo."

"Sem isso, não vejo possibilidade de avanços sociais, econômicos e políticos."

"Educar para ter respeito ao próximo e as suas necessidades é urgente."

"Temos que dar um basta à violência! Não podemos mais aceitar o caos!"

"É necessário promover a comunicação não violenta entre as pessoas."

"Precisamos frear a escalada de violência no Brasil urgentemente."

"É urgente! As pessoas se digladiam na vida virtual e real!"

"Informação, influência positiva.... necessidade urgente."

"A educação deve ser por princípio voltada para a paz."

"Estão diretamente ligadas, paz e educação."

"As pessoas estão sendo educadas para se defenderem e não para resolverem conflitos e chega a paz."

"É preciso que as pessoas tenham compaixão e solidariedade, para formar um país mais igualitário."

"O melhor investimento possível."

Existe uma linha tênue entre falar sobre investimentos em Educação "Genérica" e em Educação para a Paz.

Por tal razão, algumas respostas conjugam os dois eixos. Há ainda a associação da Educação para a Paz com religiosidade e Educação em Valores. Por outro lado, há quem não priorize a Educação para a Paz, porque acredita que existem outros setores que merecem mais investimentos ou, ainda, porque enxergam a paz como resultado da capacitação do sistema educativo como um todo. 

 

Vejamos, a seguir, alguns exemplos de posicionamentos sobre estes aspectos.  

Educação "Genérica" e Educação para a Paz conjugadas:

"Acredito que tendo boa educação para todos não é necessário direcionar para paz necessariamente. Uma coisa está dentro da outra."

"Como disse, paz é o respeito pelo outro. Sem educação não haverá respeito nem por si próprio. A valorização do indivíduo pela educação é o que garantirá a tranquilidade social e a paz."

"Com a educação podemos buscar uma sociedade melhor e um bem estar consigo mesmo, alcançando a paz."

Educação para a Paz como consequência da Educação "Genérica":

"O foco da educação deve ser para crescimento. Outras coisas, como paz, vem por consequência."

"Educação para os direitos iguais, a paz vem como consequência."

Associação à religiosidade:

"Se você não tem Fé em Cristo, não lê a bíblia diariamente, você se perde no mundo, pois seus desejos vem primeiro que qualquer coisa (no geral) e aí teremos mais cedo ou mais tarde.essa.situação em que vivemos, onde se valoriza quem foi "esperto", o que na maioria das vezes prejudica alguém ou alguns."

Associação a Valores, Amor e Empatia:

"A educação contribui para formação de valores."

"Um país sem a educação mínima, é um país onde não há o amor ao próximo, o de se colocar no lugar do próximo."

Não prioritária:

"Na atual situação do país diversos investimentos são necessários, desde infra-estrutura, passando por saneamento básico, a investimentos em políticas de proteção ambiental. desatendidas que estão tantas demandas importantes, eu não colocaria a Educação Para A Paz como prioridade."

"Ações pelo respeito devem vir antes de uma Educação para a paz, é preciso considerar que, de grandes injustiças sociais, decorreram movimentos de resistência colocando em xeque o discurso da paz. "

Investimento em Cultura:

"O investimento tem que ser na cultura em geral."

4*

Avaliação do Sistema Educativo Brasileiro

90,6%dos entrevistados opinaram que o Sistema Educativo Brasileiro deixa muito a desejar, sendo que destes 25,5% o avaliaram como ruim (0) e 65,3% como regular (1).

 

Apenas 9,3% das pessoas avaliaram como bom (2) e nehnhuma delas como ótimo (3). 

Avaliação Sistema Educativo Brasileiro

90,6% - índice coincidente entre quem avaliou o investimento da Educação para a Paz como muito relevante e quem avaliou o Sistema Brasileiro como ruim ou regular. 

Destacamos algumas observações realizadas: ​

"Precisa melhorar muito a educação no Brasil."

 

"Não há investimentos na área de educação! A educação é a base de tudo para que haja bem comum, respeito e justiça!"

"Os políticos não dão a prioridade devida."

"Só teremos transformação no Brasil se investirmos pesado em educação. Não pode haver negociação nesse sentido. E foco prioritário em pesquisa e ciência para que não percamos profissionais para outros países por não terem como trabalhar em seu próprio país."

"Temos que motivar nossos jovens e adolescentes a frequentarem as entidades de ensino. Para isso precisamos equipar melhor as escolas, faculdades.... precisamos também construir mais, para termos uma sistema de ensino mais eficiente. Precisamos remunerar melhor os funcionários da educação e, “linkar “ a educação com o esporte."

"A educação é o bloqueio da barreira da desigualdade no Brasil. É preciso sim investir e trazer novas propostas para uma educação de qualidade para todos e todas."

"Sem educação não há condições de pensamento e entendimento e pra isso há a necessidade do investimento em formadores."

"Falta investimento na educação de base e formação cultural das famílias."

"Não há como terminar com as desigualdades sociais sem investimento em educação de qualidade."

"O Brasil praticamente em todos aspectos comparando com outros países está sempre colocado nos últimos lugares."

"Sem uma educação de ponta não seremos - nunca - referência no mundo."

Esta frase, pinçada de um dos questionário, nos leva a pensar: 

o que é uma "Educação de Ponta"?

O que leva um país a ser referência mundial em Educação?

 

conTRIBUIÇÕES

Propostas de Ações de Comunicação e Educação para a Paz 

Campanhas

1*

  • "Uma campanha por mais respeito humano nas redes sociais que hoje fazem toda a diferença."

 

  • "Exemplos práticos na mídia de larga abrangência."

  • "Campanha Diga não às Armas."​

  • "Preferir flores a armas, coração do que ódio."

  • "Paz e escola alimentam a vida e a alma."

  • "Campanha de incentivo à leitura desde a pré-escola e escolas abertas aos finais de semana para a comunidade. Isto estimularia atividades esportivas, dança, teatro, contação de estórias, aulas de culinária."

  • "Campanhas anti racismo, valorizar o diferente (cabelo, cor, gênero), valorizar o respeito uns com os outros, Fazer gentilezas e quebrar o gelo."

  • "Campanhas anti drogas incluindo bebidas alcoólicas, valorizar esportes, respeito aos animais e ao meio ambiente."

  • "Campanhas com os temas da boa convivência e do relacionamento nas comunidades e bairros, contato com as associações de moradores e oferecer grupos que possam falar sobre a violência que sofreram - com histórias de vida, colocar cartazes e faixas nos bairros sobre gentileza, cuidado."

  • "Apostar que as campanhas que sejam criadas abranjan todos os públicos, mas principalmente as crianças. Por exemplo: campanha do cinto de segurança, muitas crianças lembravam os adultos da importância do uso do cinto. Assim eles podem ser grandes aliados."

  • "Campanhas com informações e dicas ou mesmo exemplos práticos sobre a vida cotidiana."

  • "Campanhas que incentivem boas práticas de todo mundo no dia a dia, que alertem para os problemas, mas que também mostrem novos caminhos positivos."

  • "Campanha de divulgação de histórias inspiracionais de líderes da paz e seu poder de transformação social."

  • "Campanhas que divulguem a identidade brasileira apoiada em sua diversidade e pluralidade."

  • "Mais campanhas de conscientização, mais debates sobre temas diversos. É importante  chegar às escolas, às faculdades, às universidades."

  • "Eu acho que o investimento tem que ser nas crianças e jovens, com campanhas que  atinjam a eles: "Diga não à violência."

  • "Falar sobre esse tema, o Brasil tem que despertar e dizer que assim não dá mais! Dar esse grito e essa voz a tantos que pensam diferente, que querem que as pessoas se respeitem mais!"

  • "O ideal, na minha visão, seria uma campanha nacional sobre educação para paz, o que parece inviável neste momento. Assim, me parece que o mais factível seria começar em pequena escala, trabalhando com algumas instituições capacitando os professores sobre o que é educação para a paz e mostrando exemplos sobre sua a aplicabilidade, ressaltando seu caráter contextual ao lado seus valores universais. Isto seria mais eficaz se fossem identificados em cada Estado pessoas que já trabalham com Educação para a Paz e pudessem compartilhar a sua experiência."

  • Formas de Comunicação:

    • "Talvez seja necessário gerar um desconforto para sensibilização sobre o tema."

    • "Mostrar a realidade e propor nas campanhas ações concretas que podem mudar o muito de agir e pensar de todos."

    • "Divulgar exemplos positivos para encorajar as pessoas, para motivá-las!"

    • "Acho muito bom que as pessoas possam dar testemunho de vida!"

    • "Divulgar o movimento de forma lúdica, por exemplo, fazer espécies de gincanas em escolas e/ou em ambientes virtuais que envolvam o tema da Cultura de Paz, que expliquem e incentivem a participação nesse movimento."

    • "Materiais lúdicos, vídeos curtos com assuntos pontuais e permitindo interação das pessoas nas redes sociais como Instagram, Facebook, LinkedIn. Temas para foto de perfil no Facebook em prol da causa, figurinhas em insta e campanhas com ações simples para que as pessoas possam se envolver e compartilhar em busca de mais pessoas para apoio, frases, gestos, ações simples e curtas que simbolizam a campanha."

    • "Desenvolver esse projeto utilizando o Design Thinking, uma abordagem de busca de soluções centradas no ser humano."

    • 'Cartilhas sobre educação social.'

    • "Técnicas de Comunicação Não Violenta podem ajudar. Sugiro entrar em contato com a Konekti."

    • "Programas educativos e sociais entre crianças e jovens, pois 60 % dos adultos já estão contaminados pela discórdia e violência."

    • "Debates e lives na internet."

    • "Façam debates entre gente comum. Não famosos. O legal seria dar espaço pra gente desconhecida."

    • "Vídeos explicativos de fatos históricos que resultaram em conflitos e em contrapartida, fatos que resultaram em paz para ilustrar a diferença das condutas e a necessidade da cultura de paz."

    • "Investir em videos didáticos nas redes sociais e materiais impressos para os presenciais."

Atividades Culturais. de Sensibilização e Artes

2*

  • "Visaria a faixa pré-escolar, com grupo de contadores de estórias. Projeto “Era uma vez”..."

  • "Palestras sobre racismo,sobre absolutismo de ideias, sobre como a história do mundo nos mostra o mal que isso faz a todos. Ensinar por exemplo que Liberdade sem responsabilidade não é liberdade e sim Libertinagem."

  • "Ações artísticas."

  • "Músicas para a base, cursos didáticos de história, arte..."

  • "Não sei a viabilidade disso, mas utilizar as artes ao ar livre para essa finalidade pode ser um formato de atingir grandes públicos. (obviamente depois que a pandemia passar)."

  • "Levar a arte a todos os cantos. Todo tipo de arte e promover para que essas pessoas possam fazer arte, pintar, cantar, tocar, recitar, esculpir, todo tipo de arte. Apresentar a arte."

  • Distribuição de flores por voluntários a frequentadores de parques aos finais de semana.

  • "Desenvolvimento de escolas itinerantes, como o esquema de "circo" que vai de um lado a outro. Poderia, por exemplo, ser com uma kombi, um micro-ônibus da educação e da paz."

  • "Escolas itinerantes para ações comunitárias."

  • "Uma ação importante seria integrar as pessoas através de eventos."

​​

  • "Alguma ação que mostre a importância da cidadania na revindicação de educação de qualidade."

  • "Ações que despertem o respeito pelas diferenças de gênero, raça, crença, etc."

​​

  • "Gostaria que houvesse desenvolvimento de ações comunitárias. Gerar ações entre pequenas comunidades e proliferar a prática."

  • "Oficinas, palestras voltadas para estudantes e seus familiares."

  • "Fazer escuta qualificada com as crianças e os jovens, idosos."

​​

  • "Respeito à natureza, sustentabilidade, é um bom começo de educação para a paz."

​​

  • "Pelo momento de pandemia do coronavírus, seria as lives, workshops on-line para debates sobre a importância da educação."

​​​

  • "Quero mais círculos de conversa! O diálogo é o princípio básico para o fortalecimento de qualquer relação!"

​​

  • "Debates para criar consciência de que as pessoas estão seguindo caminhos vazios. Debates para que as pessoas pensem mais e parem de se fixar só em futilidades."

  • "Rodas de conversa virtuais ou presencias com pessoas de diversas idades e cursos também."

  • "Aplicação de ensinos básicos como ética e moral, sociologia, filosofia e outras matérias que incentivem a reflexão."

​​

  • "Comitês de desenvolvimento da criatividade e comitês de mensuração do progresso. O que não se pode medir, não se pode melhorar."

  • "Senso de coletividade, cuidado com pessoas em todas as idades."

​​

  • "Escola livre, gratuita e de ensino de excelência para todos."

​​

  • "Mais diálogo! Devem ser ações que promovam o diálogo e a participação cooperativa. Pode ser virtual (em época de Covid) e também presencial nos diferentes Estados brasileiros."

 

  • "Ouvir as pessoas."

  • "Aulas/palestras ensinando sobre ativismo não-violento para mudanças sociais." 

  • "Penso que se deva iniciar por um estudo comum, isto é, pelos participantes interessados sobre diferentes visões de paz . Sugiro Francisco de Assis como um dos pensadores estudados. A partir da disseminação em massa da Comunicação Não violenta - que não existe nos bairros mais pobres e nas classes mais baixas, e é de difícil aplicação."

  • Alguns temas precisam ser abordados. Guerra às drogas é um . Não existe a menor possibilidade de ser vencida e os que mais sofrem são os pobres e negros. A guerra às drogas é mais um dos artifícios para manter pobres e negros em situação de vulnerabilidade e acuados.

  • "Valorização do eu interior integrado ao eu do outro."

  • "Autopercepção de si na coletividade, desenvolvimento da comunicação, inteligência emocional."

  • "Desafio de pequenas ações diárias que promovam a paz (desde comunicação não violenta a ajudar o próximo de qualquer forma que seja)."

 

  • "Desafio de buscar notícias diárias que demonstrem o lado bom do ser humano."

  • "Práticas com jovens e adolescentes que ensinem a resolver conflitos no dia a dia, primeiro perguntam a eles o tipo de conflito que mais chama sua atenção, como gostariam de resolve-lo e partir de suas próprias ideias, empoderá-los para seguir nesse processo.​"

Atividades Com Parcerias

3*

  • "Educação para a paz para policiais militares / Programas de governo focadas em mediação de conflitos / Projetos de Educação para cultura de paz em ONGs."

  • "Engajamento com pessoas, líderes comunitários, ONGs que trabalhem com temas sobre a paz e possam compartilhar experiências positivas nas diversas instituições de ensino." 

  • "Uma força tarefa na FASE e outras instituições iguais, tentando alterar a visão dos menores infratores sobre a diferença que a educação fará nas suas vidas."

  • "Mais rodas de conversa com lideranças locais, suporte material e emocional a pessoas em risco."

  • "Levar às escolas infantis teatros e oficinas que divulguem o tema."

​​

  • "Mais explicação nas escolas para os adolescentes para enxergarem que não está bem seguir as drogas e o crime."

  • "Ensino em escolas para crianças, através de palestras, aulas etc. sobre o assunto."

  • "Rodas de diálogos em escolas públicas ou centros de atenção social (talvez com jovens privados de liberdade), projetos nas comunidades periféricas principalmente. Talvez organizadas com o apoio estudantes universitários."

  • "Valorizar a escola pública, espaço que nasce a convivência com a diversidade, tolerância e solidariedade."

  • "Fórum de diálogos promovidos pela sociedade civil e organizações públicas e privadas. Aberto à comunidade, mas como ponto de partida sobretudo nas escolas."

  • "Integração de todos os sistemas de educação e cultura e conscientização inteligente e integrada de como acabar com todos os tipos de preconceitos."

  • "Para mim tudo começa com a identificação de possíveis conflitos dentro das escolas, conhecendo os motivos destes, mas não só entre alunos mas também conflitos com os professores e a forma como a escola trata os motivos e consequências desse conflito. Facilitar e motivar a participação de todos, para mim é o grande desafio, inserir todos dentro do projeto é fundamental. Acredito que jogos interativos possa ser uma forma bastante plausível para atrair as crianças e jovens, já que estes terão que tomar uma postura ativa e não apenas passiva, que com o passar do tempo se torna chata e desmotivante."​

  • "Poderia estar principalmente dentro da disciplina de história para todos os anos e ser abordada através de um trabalho solicitado aos alunos sobre o tema, para que busquem exemplos através de pesquisa e tragam para discussão em sala de aula. Outra conduta que poderia ser adotada nas escolas é de trazer temas polêmicos atuais para debate com os alunos e professores para ponderação."

  • "Aulas online ou presenciais sobre a cultura da paz. Rodas de conversa. Exercícios práticos que desenvolvam a empatia e construam a paz. Dança circular com tema de paz. Em São Paulo, temos a UMAPAZ, uma universidade voltada para esse assunto."

  • "Fazer políticas públicas ligadas ao esporte com a educação (por exemplo, aulas de esporte financiadas pelo estado mas o requisito para participar é a comprovação das crianças e dos jovens estarem frequentar as escolas. Disponibilizar mais equipamentos para a rede de ensino)."

  • "Propagar gentileza, solidariedade com os menos favorecidos, ações eficazes nos supermercados contra a fome, parcerias também com as igrejas, um movimento grande para os que sofrem."

Formação de Comitês Regionais

4*

As respostas deste item foram mixadas, já que aconteceram muitas coincidências de ideias e propostas.

Desta maneira, optamos por reduzir a quantidade de texto, evitando repetições. 

  • A partir deste questionário, identificar pessoas que possam se juntar em grupos e pensar ações. A partir da reunião inicial, o grupo levanta a prioridade. Começar com poucas ações compartilhadas. Todos envolvidos fazem com que tais ações sejam parte do sonho comum e, assim sendo, mais fadadas ao sucesso.

 

  • Primeiro atraindo pessoas e agregando ao movimento, mantendo sempre interação e contato, e posteriormente fazer lives ou calls, unindo e aproximando essas pessoas para que juntas possam trabalhar na expansão e realização dos objetivos da causa.

 

  • Virtualmente, por vídeo conferência, salas virtuais, fazendo chamadas no Instagram, Zoom, Facebook. Utilizando a tecnologia digital.

  • Esse tipo de ação geralmente é abraçado por coletivos de pessoas que acreditam ou já militam na causa ou por ONGs que tem essa missão e visão. Falando com lideranças e associações locais. 

  • Convidando lideranças de diferentes setores sociais nas diferentes regiões brasileiras. Podem contar para isso com a ajuda de ONGs, escolas, universidades, empresas, cooperativas.

  • Em cada Estado provavelmente se encontram núcleos acadêmicos e sociais que tenham igual interesse em construir redes de contato e apoio. O esforço está em identificar quem seriam os melhores parceiros.

  • Divulgar o Movimento em associações de bairros e em escolas de uma maneira que os gestores, os educadores, queiram participar dele e replicá-lo de forma a despertar a curiosidade e a vontade das pessoas de participar, sejam elas alunos, familiares dos alunos ou moradores dos bairros.

  • Formando grupos em bairros. No meu caso, que vivo na cidade do Rio de Janeiro, creio que seria a melhor opção. Formar grupos como os de sete passos (AA, NA etc). A cidade é muito grande, seria interessante ter grupos em vários bairros. Ou um grupo num bairro central, de fácil acesso (Centro, Copacabana, Tijuca, Botafogo. Bairros que tivessem metrô e fossem locais de trabalho de muita gente).

  • Logo após a pandemia, entendo que haverá uma demanda de empresas querendo e precisando investir em questões sociais para diferenciar sua instituição. Ao lado disso, no pós-pandemia, haverá uma oferta imobiliária altíssima, tornando acessível, a baixo custo, patrocínios que permitiriam a continuidade do projeto.

  • Com uma proposta para empresas privadas, pois são elas as vozes nas pequenas e grande cidades, pois se houver um posicionamento por parte do setor privado, certamente as chances de engajamento é maior. Acredito que a base seria essa, em seguida o governo.

  • Mais de que excelentes ideias devem existir grandes ações! Mas acredito que reuniões, palestras, cursos, tudo focado para aquela comunidade especifica, porém com abrangência global. Mostrando que o pouco que é transformado em um pequeno grupo pode atingir e inspirar vários outros locais.

  • Reuniões virtuais mensais, encontros nacionais periódicos e eleição de voluntários.

  • Acho que seria importante ter o apoio formal de alguma instituição de ensino que possa chancelar as ações do grupo em escolas e universidades. Inicialmente me parece que deveria se fazer um mapeamento de pessoas e instituições que trabalhem com educação para a paz no Brasil e identificar o interesse destas em participar da campanha. Imagino que haverá diferenças significativas entre Estados. Atores com maior experiência/conhecimento poderiam organizar um módulo para compartilhar e capacitar voluntários em nível nacional. A partir daí se daria a criação de comitês em cada Estado para pensar linhas de ação e divulgação da campanha em municípios, etc.

  • Conseguir apoiadores para divulgação.

  • Com a ajuda de quem já é engajado na educação. O resto parece que tem preguiça de pensar. A gente que é da educação não vê a hora de haver uma aceleração de planos. Não temos apoio. Nos falta quem organize, lidere de verdade. Estamos cansados de palanque e de gente que só quer voto em eleição

  • Os comitês regionais de jovens e estudantes podem ser o alvo dessa ação, juntamente com as Secretarias locais de Infância e Juventude.

  • Setorizar as ações regionais.

  • Com uma agenda positiva a ser criada e aplicada.

  • Elegendo mentores especialistas para coordenarem as ações.

  • Uma das formas seria seguir as diretrizes da Prefeitura de São Paulo, que já organiza comitês do tipo. Reunindo pessoas que, realmente, independentemente de ideais políticos e/ou religiosos trabalhassem em prol do coletivo.

Atenção!
Se você preencheu o questionário desta pesquisa e respondeu "Sim" ou "Talvez" quanto ao seu  interesse de participação no Movimento, em breve, receberá um convite para uma reunião virtual que tratará da idealização
dos Comitês Regionais e da organização de um plano de ação!
Caso não tenha respondido a pesquisa, mas queira participar da reunião, nos escreva para comvidaempaz@gmail.com, colocando "Informação Primeira Reunião" no campo do assunto.
 

conclusões

"Pode parecer clichê, mas educação é

a base de tudo! Não vejo outro caminho

senão pela educação."

O que vem primeiro? Educação, paz, respeito,  justiça?

O que se nota, por meio da análise das respostas do questionário aplicado, é que a Educação é ponto central das inquietações da maioria dos entrevistados. Os entrevistados expressaram que a Educação é a grande propulsora de transformações socioeconômicas, políticas e humanas. 

O entendimento de Paz e de uma Educação aplicada para que as muitas Pazes sejam disseminadas amplamente esbarra em aspectos interdisciplinares e trans-dimensionais. Algumas pessoas focaram suas respostas no âmbito da justiça, direitos humanos e liberdades. Outras na dimensão da família e das relações cotidianas. Outras no eixo das relações políticas e da ordem estrutural de uma nação. E houve, também, aquelas que destacaram a ótica da relação intrapessoal, do existencial, da alma, da relação com o ecossistema e com o Divino.

"Paz é justiça. É fundamental que se tenha Paz, a começar

pelo respeito e igualdade (religião, gênero, raça e classe)."

Nota-se grande riqueza na diversidade das expressões comunicativas e na fluidez dos pensamentos. Isso marca a geografia identitária plural do grupo de participantes desta pesquisa.

As formas de concepção do caminho de paz são diferentes, mas o mais significante, a se ter em consideração aqui, é a disponibilidade para fazer mais em termos práticos, movendo esforços em prol do estabelecimento de uma nova Cultura de Paz no Brasil!

 

Tanto é assim que 35% (26 pessoas) mostraram interesse em participar do Movimento Com Vida e Em Paz e 48% (36 pessoas) sinalizaram que talvez possam participar. 13 pessoas (17%) mencionaram não ter interesse, sendo que 8 delas justificaram ser por questões de excesso de compromissos pessoais e de trabalho, fato que as impossibilitaria de fazê-lo. Somente 4 pessoas não deixaram alguma forma de contato (e-mail ou perfil de redes sociais), sendo que 3 delas justificaram escrevendo apenas "não tenho interesse" e 1 explicando:

 

  • "No momento, com pautas tão urgentes de direito à vida, não consigo levantar a bandeira da paz deslocada de contextos. Resistir é transgredir, é uma necessidade em tempos tão obscuros de áurea anti-humanismo, anti-cientificismo, de perseguição a pobres, a negros, a pessoas trans, etc."

Participação no Movimento

Sim

Não

Talvez

Existe Cultura de Paz deslocada

de um contexto amplo? 

"Sem respeito e educação não existe paz!"

O que vem primeiro? O respeito, a educação ou a paz? Ou seria melhorar dizer que são elementos intimamente ligados, indissociáveis e não passíveis de escalonamento?

Os resultados da pesquisa mostraram que há muita vontade de mobilização por uma sociedade mais justa! Além disto, fica clara a ampla indignação em relação ao descaso dos líderes políticos quanto à pobreza, às desigualdades e à falta de acesso, sem discriminações, para todos e todas a um sistema educativo de qualidade.

Fica clara também a preocupação com as violências multifacetadas e com a necessidade de se tomar as rédeas da situação para a transformação da caótica realidade brasileira.

 

O que parece não haver no Brasil é um alinhamento de conceitos às ações colaborativas no campo da Cultura de Paz. Quem sabe, inclusive, uma boa tarefa inicial do Movimento Com Vida e Em Paz seria: pensar como alinhar diferentes visões conceituais à prática da Comunicação e Educação para a Paz! 

O que é Educar para a Paz?

Será que não é reeducar a

cada um de nós para pensarmos

em prol do colaborativo? 

Resistir às injustiças não é força contrária a fazer parte de um Movimento em prol da Paz.

 

A criação de um círculo virtuoso de paz nasce da não concordância com o círculo vicioso das injustiças, das discriminações, da falta de humanidade e de amor. Não existe mobilização para a paz real e plena sem resistência às violações dos direitos humanos.

 

Resistir violentamente ou pacificamente? Esse talvez seja o aspecto a ser repensado comunitariamente. 

 

O que os resultados de pesquisa nos mostram é que há uma sobreposição de problemáticas e elas precisam ser organizadas para a concepção de uma pauta clara que tenha como semente principal a Paz, da qual podem germinar soluções frutíferas contra as violências, as injustiças e a destruição das relações humanas. 

Resgatemos aqui uma frase de um dos participantes da pesquisa: "É extremamente importante, mas há problemas mais urgentes, como a fome por exemplo."

Será que a área da Comunicação e Educação para a Paz não é exatamente aquela capaz de conjugar problemáticas diversas como as da pobreza, da fome, da exclusão, do saneamento, das perseguições, das diversas fobias e discriminações, agrupando-as em uma só pauta?

 

Será que Educar para a Paz não é pensar nesses temas todos de maneira conjunta, colaborativa e não excludente, criando soluções transformadoras? 

"Não existe um plano nacional neste sentido e poucas pessoas possuem

conhecimento sobre Educação para a Paz."

"Vivemos a violência político-econômica e a violência sociocultural.

A educação para a paz contribuiria para reduzir ambas."

A esperança de construirmos um Brasil mais justo continua viva apesar de 

tantas adversidades. A promessa de um futuro melhor vem se arrastando há décadas.

Escutamos muitas promessas que não se materializam como ações concretas em prol da população. Porém, no meio do caos, ainda sobram razões para continuarmos acreditando que chegará o dia da grande transformação. E uma delas é a força mobilizadora de pessoas, grupos e comunidades. 

A prova de que somos capazes está nas inúmeras contribuições dadas pelos participantes desta pesquisa! 

"Somos o país do futuro, há décadas. Temos perdido gerações."

"Já faço isso, com meu grupo, mesmo sem investimento; isso é uma obrigação, mas deveria ser política pública."

A obrigação deve ser de ordem pública e há a necessidade de cobrança por parte da sociedade civil. Então, qual é a melhor forma de pressão?

união em torno de pautas de Educação e de combate às injustiças, porque:

"Não existe democracia sem educação, não existe crescimento cultural

e social sem educação."

Consequentemente, no que devemos investir? 

Sabemos que: 

"O investimento em Educação é muito baixo no Brasil e diminui a cada ano.

É necessário investir mais urgentemente. O clichê   "A educação é a base de tudo"

é correto e verdadeiro, não podemos mais ignorar esse fato."

Por isso precisamos investir nossos esforços, nosso tempo e nossos potenciais criativos para dar a volta por cima comunitariamente.

"Uma andorinha sozinha não faz primavera". A nova primavera brasileira deve ter como base o investimento na democracia, na justiça, na liberdade, na igualdade de direitos, na aceitação amorosa de todos os seres que habitam nosso país.

 

A Educação é aquela que pode propiciar o conhecimento para a mudança.

 

A Educação para a Paz é a que pode criar coesão entre pensamentos, sentimentos, atitudes e ações conscientemente e transcendentemente cooperativas. 

"Sem isso, não vejo possibilidade de avanços sociais, econômicos e políticos."

"Sem paz não há como debater os planos de educação. Nosso país está vivendo o caos, há muita rivalidade política. E assim, não chegaremos a lugar algum. Há de se ter gente mediadora. Há de haver liderança equilibrada, pacífica, para que juntos construamos o futuro do país."

É importante salientar que são muitas

as Pazes que precisam ser abraçadas!

Quem sabe precisamos

teorizá-las menos e vivenciá-las mais!

A participação colaborativa é fundamental

para a superação de barreiras e para

o enfrentamento das violências

estruturais, culturais e diretas! 

 

As muitas Pazes são frutos da grande árvore da "Comunicação e Educação Para e Com Paz"! 

 

©2020 por Movimento Com Vida e Em Paz